domingo, dezembro 14, 2008

Os mal-amados...


A  crítica foi quase unânime: "Seda" foi um dos grandes falhanços de 2007. A seca do ano.

A história roda à volta de um francês que a meio do séc.XIX, quando era proíbido a estrangeiros entrarem no Japão, se deslocava anualmente de França até lá, por terra, para comprar ovos saudáveis de bichos-da-seda para que as fiações na sua terra natal se mantivessem em serviço, já que a bicharada europeia era afectada por uma maleita desconhecida. Pelo meio existem os remorsos que sente ao sucumbir a um amor platónico de uma concubina de um senhor feudal japonês, quando sabe que tem um amor incondicional pela sua mulher.

Concordo que narração do personagem principal é monocórdica, que o filme é demasiado retalhado onde se exigia calma e é tortuosamente demorado onde não existe nada que o justifique. Algumas cenas de amor são gélidas, existem algumas imprecisões.

Um crítica chegou a dizer que este filme é tão interessante como olhar para uma caixa de sapatos e olhar os bichos a mastigar as folhas de amoreira.

Eu comecei a ver este filme as ontem ás 20h30, nesse dia tinha sido chamado à fábrica às 3 da manhã e por lá me mantive até às 19h00, no entanto vi o filme, com o aquecimento na minha casa a 25ºC sem luz na sala e mesmo assim não adormeci.

Existem essencialmente 2 razões para que tal tenha acontecido. A primeira prende-se com o facto de que se não entregasse o filme até ás 23h pagava mais 5 euros e eu, para algumas coisas, sou pelintra. A segunda é que tudo neste filme é belo. Muito belo. As pessoas as paisagens, a música de Ruychi Sakamoto...tudo.

Já aqui disse às vezes olhos os filmes como uma série de fotogramas e me desprendo da narrativa. Este é um desses casos. Se desse muitos ouvidos às críticas teria perdido o prazer que este falhado filme me proporcionou.   




Sou um fã tardio e estranho do M. Night Shyamalan. Ainda não vi o filme que o trouxe para a ribalta ("O Sexto Sentido"), nem o que me dizem ser o melhor ("Unbreakable"), adoro todos os outros, até o monosprezado("Senhora da Água").

Tinha então espectativas elevadas para este novo filme mas o facto é que me irritou. Continua a aludir ao 11 de Setembro e agora junta o moralismo contra a nossa decadência ambiental.

A premissa é a seguinte: se por vezes as algas matam os peixes com estranhas toxinas quando sentem o seu ecossistema ameaçado, o que aconteceria se as as plantas do mundo se sentissem fartas e ameaçadas pelos humanos e quisessem acabar com a nossa raça.

A premissa até é jeitosa, mas neste filme as plantas libertam uma toxina que acabam com os instintos de auto-preservação das pessoas, como tal, as pessoas quando a inalam sentem uma necessidade imediata de se suicidarem. Isto é bastante macabro e assusta um pouco, mas depois assistem-se neste filme coisas que dão cabo disto.

É que algumas pessoas quando inalam a toxina não têm nada de jeito ou muito prático para se matarem. Então o susto e medo provocado por cenas onde pessoas sucessivamente se atiram de um topo do edificio ou de cidades fantasma populadas por técnicos de electricidade enforcados nos postes de electridade, é substituído pelo riso e incredulidade perante o ridículo, quando vemos gente (com muito sangue a jorrar e outros pormenores "gore") a meter-se debaixo de cortadores de relva ou a besuntar-se com carne no fosso dos leões do zoo.

Mais rídiculo é pensar, como o filme sugere, que as pessoas quereriam viver normalmente e sem traumas 3 meses depois em cidades e vilas onde supostamente milhões se teriam suicidado. 

Acho que os actores e particularmente, Mark Wahlberg, também não ajudaram muito.

Este filme deixa-me um travo agridoce semelhante aquele com que fiquei qundo vi "A Guerra dos Mundos" do Spielberg.

Uma oportunidade perdida.  

0 Comments:

Publicar um comentário

<< Home